Gigi Hadid é eleita uma das ‘Mulheres do Ano’ pela a revista Glamour

Ela é bem sucedida e possui milhões de seguidores nas mídias sociais. Gigi Hadid foi nomeada uma das Mulheres do Ano pela Glamour na nova edição de dezembro. Em entrevista à revista, a modelo explicou como ela usa suas plataformsa, e por que ela não é uma “garota americana” comum. Confira:

1~236.jpg2~241.jpg3~214.jpg4~200.jpg

 

A primeira vez que vimos Gigi Hadid ela estava no Real Housewives de Beverly Hills. A filha mais velha da modelo Yolanda Hadid e do desenvolvedor imobiliário Mohamed Hadid, estava se preparando para uma campanha publicitária da Guess. Modelo desde a idade de “talvez três”, diz a mãe, a jovem de 22 anos parece mais entusiasmada com a festa de aniversário do que com o trabalho em questão. E então ela pisa na frente da câmera: ela se move com uma confiança atrativa, vem de dentro; seus olhos – meio azul e verde – são super sorridentes. “Gigi conseguiu“, diz Yolanda. “Ela está decolando“.

Nos cinco anos seguintes, ela acumulou sucessos (Victoria’s Secret, Sports Illustrated ‘s Swimsuit Issue, e uma nova coleção com Maybelline) e a indústria (capas da Vogue, e desfilando para Tom Ford). Com apenas 22 anos, ela tem 36 milhões de seguidores no Instagram e projetos como Tommy x Gigi com a Tommy Hilfiger. Tudo foi o suficiente para torná-la um dos modelos mais bem pagas do mundo, de segundo a Forbes .

Sorte? Claro, e ela está pronta para admitir isso. “Fui muito abençoada enquanto crescia“, ela diz quando nos conectamos depois de um Mês da Moda implacável que teve em suas passarelas em Nova York, Londres, Milão e Paris. Mas pergunte a quem a conheça bem, e eles vão responder quaisquer noções preconcebidas. “Ela é uma pessoa pensativa e presente, que, no meio do caos, nunca piora em ser completamente adorável“, diz Jeremy Scott, diretor criativo da Moschino, que lançou Hadid em seu primeiro desfile, em 2014. “Gigi tem uma dedicação ao seu trabalho e um amor por isso“. Atriz e eleita Mulher do Ano em 2012 pela Glamour, Lena Dunham conheceu Hadid através de Taylor Swift. “Eu tenho que admitir que não esperava ter uma tonelada em comum com Gigi“, diz Dunham. “Ela é quase uma década mais nova que eu. Ela cresceu entre os glitterati em Los Angeles. Ela é uma supermodelo. Mas desde o momento em que nos conhecemos – ou talvez cinco minutos depois – eu era como ‘uma porcaria sagrada’. Esse é o meu tipo de garota. Gigi é aberta, sábia e trabalhadora… Tenho sorte de ter ela como amiga“.

É uma fúria que Hadid acredita ser a primogênita de dois imigrantes. (Yolanda emigrou da Holanda na adolescência – “ela enviou todo o dinheiro que ela fez de volta para casa”, diz Gigi – e Mohamed nasceu na Palestina). “Ambos os meus pais vieram de começos muito humildes e trabalharam muito, muito duro” ela diz. “Parece natural para eles ter instilado isso em seus filhos. E, no entanto, raramente faz parte da história contada sobre ela. Quando eu comecei a trabalhar na moda, era como, ‘Gigi, é toda americana’. Eu era muito aquela “garota ao lado”, diz ela, “mas se você ler minhas entrevistas, sempre falo sobre os antecedentes culturais dos meus pais“.

Há algo sobre o qual ela gosta de falar: questões sociais e políticas. Enquanto uma geração anterior de modelos normalmente ficava em silêncio, Hadid, que estudou psicologia criminal por dois anos na New York City’s The New School , antes de seguir a carreira de modelo em tempo integral, entende o poder do público que ela construiu. “Eu quero ser a pessoa que sempre usa minhas plataformas para compartilhar o que sou apaixonada, mas também é assustador e algo que eu aprendi a ser cautelosa“, diz ela. Mas quando ela decide que ela tem algo a pena dizer, Hadid vai duro. Ela falou sobre o controle de armas, e em janeiro, quando o presidente Trump assinou uma ordem executiva que suspendeu a imigração de 7 países muçumanos para os EUA, ela e sua irmã, Bella, marcharam em protesto com um cartaz que dizia: “Somos todos hindus, budistas, muçulmanos, ateus, cristãos e judeus” com letras destacadas para explicar a palavra humanos.

Claro, a visibilidade tem a sua desvantagem. (E namorar alguém tão perseguido como cantor Zayn Malik só acrescenta ao brilho.) E no outono passado, as coisas se tornaram totalmente ameaçadoras: um homem a agarrou no meio de fotógrafos da Semana da Moda de Milão. Hadid rapidamente o atingiu, uma jogada que foi criticada por alguns meios de comunicação. Ainda assim, ela se recusou a recuar. “Eu senti que estava em perigo, e eu tinha todo o direito de reagir do jeito que eu fiz“, escreveu ela logo depois do ocorrido. “Eu quero que as meninas saibam que eles têm o direito de lutar também“.

 “Se algo está me inspirando, vou me empurrar mais forte para chegar lá“, diz ela. Uma coisa é certa: ela continuará ganhando expectativas. Diz Dunham: “Ela é uma loira inteligente. Ela é uma modelo que não dá uma porcaria de ser mergulhada no mistério. Gigi desafia todo estereótipo maldito

Tradução & Adaptação: Equipe Gigi Hadid Brasil


Comentários