Bem-vindos ao seu fã-site oficial da modelo Gigi Hadid no Brasil
Instagram Twitter Youtube

Sendo o primeiro desfile sem termos os olhos atentos de Karl Lagerfeld nos bastidores arrumando os últimos detalhes de cada roupa vestidas nas modelos, o fashion show no dia de ontem da Fendi foi extremamente emocional tanto para equipe criativa por trás de tudo quanto para as modelos que cruzaram a passarela. A coleção sendo a última criada pelo estilista alemão continham os toques característicos, os duros e altos colarinhos eduardianos que o próprio Lagerfeld usava e fazia riffs sobre a alfaiataria em forma de tesoura com costuras geométricas que ele retornava a cada estação. Desta vez, essas costuras definiram uma linha de ombro afiada ou os painéis de linha em um revestimento perfeitamente ajustado. Houve também um jogo de camadas e translucidez que incluía couro “arrastão” perfurado a laser. O logotipo duplo F interligado (apelidado de “Karligraphy”), que o próprio Lagerfeld inventou em 1981, foi reimaginado na fonte de cobre de sua própria caligrafia e entrelaçado em meias ou usado como um intarsia em shearling. (A clássica faixa marrom e bege da Fendi, trabalhada em tiras para uma bolsa de alça de moldura de alta qualidade, foi um dos sucessos acessórios da coleção.)

As peles, uma categoria que Lagerfeld redefiniu com imaginação e invenção extravagantes como um item de moda contemporânea sem época para a Fendi, incluía uma camisa de vison de alta qualidade com intarsia de contraste sugerindo a sombra do colarinho e das abas de bolso; um incrível efeito de tom sobre tom das folhas de palmeira art déco funcionou em um terno preto com uma silhueta dos anos 40; e um impermeável perfurado, o pelo macio e lustroso perfurado para revelar flashes de ouro pálido sob a superfície. “O último toque foi o cachecol”, disse Venturini Fendi, referindo-se ao inesperado floreio de fitas largas entrelaçadas como um cinto nas costas, nas pontas tremulando, em muitos dos vestidos e casacos, que emprestaram um toque de romance desalinhado ao claro.

O antigo colaborador musical de Lagerfeld, Michel Gaubert, trabalhando com Ryan Aguilar, colocou o show em uma trilha sonora biográfica que começou com Lou Reed e John Cale em Small Town, uma brilhante ode a Andy Warhol. através do lamento de Stravinsky e Ornella Vanoni, “Sad Sleep”, e terminou em um final com “Heroes” de David Bowie – comparando o próprio arco notável de Lagerfeld de sua infância em Hamburgo a sua posição suada como um ícone cultural internacionalmente reconhecido e reverenciado . Um ícone, digamos, que nunca uma vez pensou em se aposentar do trabalho que começou há sete décadas como assistente de estúdio com o costureiro completamente parisiense Pierre Balmain.

Gigi Hadid fechou o emocionante e pesado desfile, pela primeira vez para grife, com os olhos vermelhos como as demais modelos que deixaram a emoção tomar conta usando um vestido diáfano amarelo de botão de ouro, e então a multidão se levantou – bem a tempo de um pequeno clipe de Karl Lagerfeld, que o cineasta Loic Prigent lhe pediu para desenhar seu visual no dia em que chegou a Roma para trabalhar para a Fendi. Lagerfeld, é claro, lembrava-se perfeitamente quando esboçava a bênção sem esforço com a qual imaginava milhares e milhares de peças surpreendentes de roupa. Neste caso, um fedora de Cerruti para cobrir seus cabelos longos, uma jaqueta Norfolk em tweed inglês amarelo e vermelho, uma gravata Lavalliere impressa, knickerbockers franceses e óculos escuros – um olhar que ele descreveu 54 anos depois como “ mauvais gen ” [desonroso].

Após a exibição tradicional do vídeo na passarela, Venturini Fendi, agradeceu a sua equipe e socou o ar e repetiu as palavras que Karl repetiu após cada coleção: “E agora, a próxima!”. 

1126502717.png63624e1134593754.jpg2d918a1134593624.jpg1131145914.png1126521118.png