07.09.22
Gigi Hadid conversa com a Vogue sobre Guest In Residence.
Publicado por Brenda

Gigi Hadid bateu um papo com a Vogue US sobre inspiração, preços, cores, tecido, como cuidar das peças e mais do processo criativo da Guest In Residence. A modelo ainda conta qual é uma das peças favoritas de Bella Hadid, sua irmã, e sobre a autonomia da sua filha Khai em relação a escolha de suas roupas. Leia entrevista completa e traduzida abaixo:

Quando Gigi Hadid se mudou de Los Angeles para Nova York há quase uma década, estava à beira de um inverno particularmente amargo na Costa Leste. Nem será preciso dizer que o clima arrepiante foi um choque para o sistema. “Eu sou sempre a pessoa que está com frio, mesmo quando outras pessoas se sentem quentes”, diz Hadid, com um suspiro. Felizmente, seus pais planejaram com antecedência: eles enviaram sua filha adolescente para a faculdade na New School com os suéteres de caxemira que ela tirou de seu guarda-roupa em dias mais frios na Califórnia. Seus favoritos eram todos chiques furtivos: uma gola alta cinza presa com tiras de couro (das sua mãe) e um cardigã de tricô abotoado de seu pai. Com sua vida em um momento de transição – uma muito emocionante e desconcertante – as malhas aconchegantes ofereceram a sensação reconfortante de casa. “Essas foram as únicas peças de caxemira que possuí por muito tempo”, admite Hadid. “Eu ainda os tenho.”

Estou falando com a supermodelo via Zoom quando ela me ligou de um quarto de hotel em Londres, ela apareceu na tela vestida em uma linda gola alta de caxemira laranja girassol. Exceto que este não é um hand-me-down (segunda mão) – é um suéter de sua nova marca recém-lançada, ‘Guest In Residence’. “É a primeira vez que estou usando uma das novas amostras, e adoro a cor”, diz Hadid, um pouco tonta de emoção. Esse suéter faz parte de uma série de peças para sempre – moletons, regatas, cachecóis, gorros e afins – que vêm em uma infinidade de tons quentes: rosa chiclete, amarelo açafrão e vermelho cereja, para citar alguns. Há também gotas de edição limitada nas obras, incluindo uma que Hadid chama de “Classic Funky” que mostra seu talento para bloquear cores em formas preppy como o rugby clássico.

A linha de malhas de caxemira, três anos em construção, é uma espécie de trabalho de amor para Hadid, 27 anos. Alguns meses grávida de sua filha Khai e agachada na fazenda da família na Pensilvânia, ela começou a incubar o conceito inicial assim que o mundo entrou em confinamento. “Acho que muitas pessoas assumiram que começar minha própria marca seria o próximo passo natural”, diz Hadid, que trabalhou em várias colaborações ao longo dos anos – tudo, desde coleções de passarelas para Tommy Hilfiger até cápsulas de roupas de banho para a fundadora da Frankies Bikinis, Francesca Aiello, amiga desde a oitava série. “Mas eu não estava tentando me apressar. Eu sabia que algo viria a mim que se sentisse certo, que tivesse integridade.”

No cenário atual de designers de vários hífenes (diferentes trabalhos), sua última mudança de carreira não poderia ser mais a tempo. Mulheres como Mary-Kate e Ashley Olsen, Victoria Beckham e Rihanna provam que há mais de um caminho para a moda, e como alguém que é fotografada com tanta frequência na rua quanto na passarela, Hadid desenvolveu um senso aguçado de seu próprio estilo muito parecido como eles – sem mencionar um acompanhamento de mídia social digno de megastar. E não faz mal que ela tenha trabalhado com muitos dos nomes mais talentosos do ramo. “Se você prestar atenção, pode aprender coisas selvagens além de modelar neste trabalho”, diz ela.

Mais do que tudo isso, porém, as escolhas que Hadid fez com a ‘Guest In Residence’ refletem os valores de estilo que ela aprendeu em casa. “Tanto minha mãe quanto meu pai foram muito bons em investir em coisas que amam, e sempre me mostraram isso enquanto crescia” , explica ela. Dado o modelo direto ao consumidor da marca, as peças de investimento em sua linha também não custarão a terra (custarão caro) – a clássica gola redonda que ela está usando para o nosso Zoom, por exemplo, é vendida por $295. Dito isso, Hadid não está cortando custos na qualidade. Na verdade, ela fez um esforço extra para adquirir caxemira de fibra longa na Mongólia Interior – um fio biodegradável para evitar pilling (pinicar), a implicância de todos os devotos de malhas. “Quero roupas que pareçam sustentáveis ​​e realistas para ter por muito tempo”, diz ela. “Se você cuidar da caxemira corretamente, ela pode durar décadas.”

As duas regras de ouro que ela jura por meio de sua avó: (1) Qualquer coisa que funcione em seu cabelo funciona em caxemira. (2) Em vez de lavar um suéter a cada uso, pendure-o na janela no final do dia. “A caxemira é uma fibra natural, por isso, naturalmente, libera a fumaça”, ela insiste.

Parece que alguns membros de sua família estão especialmente ansiosos para colocar as mãos na nova coleção. Sua irmã Bella está de olho no cardigã cortado com bordas cruas e um fecho de gancho que era originalmente conhecido como “The Undercover”. “Bella veio até o escritório e pegou – era sua coisa favorita,” Gigi diz sobre a peça de camadas. “Agora nós a chamamos de ‘The Bella”. E embora a filha de Gigi possa ser apenas uma criança, ela está claramente atrás de sua tia. “Khai não tem nem dois anos e escolhe suas próprias roupas. No outro dia ela tirou um vestido do cesto. Eu disse: ‘O que você está fazendo? É sujo!’ Mas ela não colocou mais nada. Ela já tem grandes opiniões próprias”, diz Hadid.  “Ela será nossa primeira estagiária.”

Tradução & Adaptação: Gigi Hadid Brasil