29.07.21
Filantropia
Publicado por Equipe GHBR

Em 2016 Gigi Hadid lançou em parceria com a Stuart Weitzman a “The Gigi Boot”, uma versão de alta costura das botas de alpinista inspirada no passado atlético da modelo. As botas eram de salto alto e tinha três estilos: bronze metálico, prata e couro de crocodilo.


Nesta parceria Gigi juntamente com a marca marcaram o compromisso de construir três escolas em áreas rurais de Gana, Guatemala e Laos no outono daquele ano com uma parte do dinheiro das vendas das botas. Em 2017 as três escolas foram inauguradas fornecendo uma educação de qualidade para mais de 1595 alunos.


Em 2017 Gigi voltou a fazer parceria com Stuart Weitzan lançando a coleção denominada EYELOVE que foi simplesmente de calçados mules, que são sapatos extremamente confortáveis e elegantes ao mesmo tempo que são geralmente abertos atrás e fechados na frente. Esse lançamento consistiu em dois estilos únicos feitos em uma variedade de neutros que Gigi desenvolveu para ir com tudo de manhã a noite, em coquetéis no jantar ou apenas a tempo para os feriados, como cinza de ardósia, marrom de ferrugem e um azul índigo profundo.


E mais uma vez grande parte do lucro que foi obtido nessa coleção foi doado para Pencils of Promise que marcaram mais um compromisso de construir um adicional de mais três escolas em Gana, Guatemala e Laos.

Em 2018 Gigi Hadid virou embaixadora da UNICEF e em agosto junto com sua amiga Austyn viajaram dos EUA para Bangladexe para promover os direitos e o bem-estar de todas as crianças. Durante sua visita, Hadid viu em primeira mão o impacto da programação do UNICEF, incluindo educação, espaços amigos da criança, apoio à saúde e muito mais. A viagem aconteceu na véspera do primeiro aniversário da crise dos refugiados de Rohingya, que começou em 25 de agosto de 2017.


Em um Centro de Aprendizagem no Acampamento Shamlapur, Hadid conheceu estudantes e participou de jogos e atividades educacionais. Em um Information Feedback Center, ela se reuniu com jovens inspiradores, mães e mobilizadores comunitários que estão engajando suas comunidades em esforços de resposta.


Em um Espaço Amiga da Mulher no Acampamento Jamtoli, Hadid conheceu mulheres que lideram suas famílias com o apoio do UNICEF e parceiros. No campo de Kutupalong, Hadid viu o impacto vital dos Pacotes de Alimentos Terapêuticos prontos para o uso de crianças desnutridas em um Centro de Alimentação Terapêutica Ambulatorial e viu o poder de brincar em um Espaço Amigável para Crianças, onde crianças recebem apoio e se recuperam de traumas.
“Visitar os acampamentos Rohingya em Bangladesh com Gigi Hadid antes da marca de um ano da crise foi uma experiência extremamente impactante. Isso me deu um senso renovado de propósito para garantir que essas crianças brilhantes e dinâmicas tenham tudo o que precisam para crescer e prosperar “, disse Caryl M. Stern, presidente e CEO da UNICEF EUA. “Estamos muito agradecidos por Gigi ter lhe dado tempo, voz e plataformas para esta missão. Ela é um exemplo vivo do que significa colocar ‘crianças em primeiro lugar’ e era natural no ambiente – caloroso e envolvente com todos que ela conheceu. Estamos muito felizes em tê-la como apoiadora da UNICEF EUA”.


Após seu retorno, Hadid e a mais nova embaixadora do UNICEF, Halima Aden, iniciaram uma página do CrowdRise para para angariar fundos e conscientização para UNICEF – Children Uprooted em todo o mundo. Tanto Hadid como Aden são representadas pela IMG Models, cuja empresa-mãe ajudou a apresentá-los à UNICEF USA.
“Ficamos muito orgulhosos de conectar Gigi com a parceira de impacto social da Endeavor, UNICEF, e observá-la mobilizar imediatamente em sua primeira visita a Bangladexe. Gigi pôde testemunhar em primeira mão o incrível trabalho que a UNICEF está fazendo com os refugiados Rohingya para ajudá-los não apenas O apoio apaixonado de Gigi, Halima e suas equipes na IMG Models continuará a aumentar a conscientização e ter um impacto direto nas comunidades que a UNICEF atende em todo o mundo”, declarou Tascha Rudder, diretora executiva da Endeavor Foundation.


No final de 2019 Gigi Hadid viajou para o Senegal novamente com sua amiga Austyn, para ver em primeira mão o trabalho que o UNICEF faz da maneira de alcançar partes do mundo mais difíceis. A visita se concentrou nas principais áreas programáticas da UNICEF, incluindo proteção, capacitação de adolescentes, educação e água, saneamento e higiene (WASH).


Em Dakar, Hadid visitou La Maison Rose, o abrigo, o único na região, apoiado pela UNICEF para meninas e mulheres que precisam de segurança. La Maison Rose é um abrigo aberto e lar do programa de Proteção Rápida da UNICEF que permite que membros da comunidade treinados em proteção infantil denunciem casos de violência por meio de um sistema SMS 24 horas por dia, 7 dias por semana, e prestem assistência às vítimas em 5 minutos. Nos últimos 10 anos nasceram diversas crianças como também há órfãos que são trazidos para este abrigo pelo Ministério da Justiça do Senegal.


Depois dessas mulheres terem sido violentadas e/ou impregnadas de um ataque sexual, é comum que estas mulheres sejam afastadas de suas famílias e expulsas das suas casas. Algumas delas viajam de partes muito rurais do país, algumas até mesmo vindo de outros países. Depois de viajar às vezes para muitas cidades tentando encontrar seu lugar, a maioria das meninas aprendem sobre este abrigo através do boca-a-boca; ninguém será recusado e elas serão apoiadas física, emocionalmente e psicologicamente. Os funcionários e voluntários liderado pela fundadora Mona Chasserio e sua colega Danielle Hueges encorajam as meninas a compartilhar e encontrar comunidades através de suas dificuldades.


Elas são ensinadas a encontrar o positivo em sua maternidade e relacionamento com seus filhos, amá-los e cuidar deles adequadamente, e a nutrir suas paixões, seja na confecção de roupas, agricultura, esportes e etc. E aprender um conjunto de habilidades que as ajudará a entrar no local de trabalho quando saírem do abrigo.


Depois, viajou para Kolda, uma cidade no sul do Senegal, para visitar escolas pré e primárias onde o UNICEF está trabalhando para combater as taxas de abandono escolar na cidade e nas aldeias vizinhas. Embora 70% das crianças senegalesas iniciem a escola, 1 em cada 4 crianças sai depois de alguns anos por causa da pobreza, acessibilidade geográfica, trabalho infantil, casamentos precoces e infra-estruturas fracassadas. Hadid aprendeu sobre os esforços da UNICEF para aumentar o acesso às pré-escolas comunitárias, melhorar os treinamentos dos professores das escolas primárias e prevenir a violência nas escolas e em casa.


Anteriormente, a pré-escola era algo a que apenas famílias de alta renda tinham acesso. Os estudos mostram que as crianças aqui que começam neste nível têm maior probabilidade de ir mais longe na escola, mas apenas 17% das crianças aqui têm acesso e frequentam a pré-escola. Além da educação inicial para o desenvolvimento, o francês é introduzido em seu dialeto local na pré-escola, para que eles sejam atualizados em termos linguísticos e mentais e educacionais quando ingressam no ensino fundamental.


O UNICEF está apoiando as comunidades rurais na criação de suas próprias pré-escolas locais e incentivando a educação do governo distrital na criação delas nas escolas primárias que já existem. Na escola primária na vila havia três salas de aula acomodando cerca de 180 crianças; Foi aqui que foi explicada a grande necessidade de treinamento de dois anos para professores financiados pelo UNICEF. Atualmente, 110 professores foram treinados (os líderes dizem que estão planejando treinar mais 180) nas áreas circundantes de Kolda, para que seja possível que as 286 turmas de várias séries funcionem e eduquem o maior número possível de crianças.


Na mesma região, mais especificamente em Bagadadadji, Hadid visitou um centro de saúde materno-infantil, este é um dos 29 postos que existem. A sociedade reconhece primeiro a existência e a identidade de uma criança por meio do registro de nascimento, que é uma etapa crítica para garantir a acessibilidade para exercer todos os direitos. No Senegal, 1 em cada 4 crianças não é registrada por certidões de nascimento, o que cria obstáculos para que eles recebam serviços de saúde, educação e proteção. Para aumentar a taxa de registro, o UNICEF Senegal apoia o governo no estabelecimento do protocolo pré e pós-natal, na criação de secretárias de nascimento em hospitais e centros de parto. O UNICEF Senegal também ajuda a fornecer certidões de nascimento, livros de registro, estações de lavagem de mãos e treinamento aos chefes das aldeias que incentivam as mulheres a dar à luz no centro de saúde e não em suas aldeias.


Este posto específico foi criado em 1981 e serve uma população de 16.208 pessoas. Há 10 agentes comunitários que, entre muitos outros serviços, prestam cuidados curativos para a malária e, se não forem administrados in-clínica, vão de casa em casa para entregar este tratamento que salva vidas. O UNICEF tem apoiado postos como este, fornecendo, 3 milhões, de livros de registros e todo o material médico necessário para as crianças e para a saúde pré e pós-natal das mães. Eles também usam a tecnologia Rapid Pro que é para obter o número de crianças nascidas mensalmente de formulários escritos localmente para o registro nacional digital oficial.


Em julho de 2019, o UNICEF conduziu um treinamento de habilidades digitais no centro da juventude em Kolda, com o objetivo de capacitar meninas adolescentes, fornecendo-lhes habilidades em tecnologias digitais, inovação e empreendedorismo. O programa também combina jovens com mentores de uma universidade local para continuar seus aprendizados e orientação fora do campo de treinamento. Os participantes do programa compartilharam histórias inspiradoras ao mostrarem a Hadid seus projetos mais recentes em codificação, robótica, mídia e produção digital.


“As jovens que conheci no centro da juventude me lembraram que a ferramenta mais poderosa que todos temos é a nossa voz”, disse Hadid. “Quer estejamos pedindo ajuda ou usando-a para espalhar a consciência, uma voz, uma história, pode mudar a vida de muitos“.


Para limitar seus aprendizados em algumas das principais programações do UNICEF, Hadid visitou uma vila na fronteira com a Guiné-Biassu que concluiu com êxito o programa de Saneamento Total de Líderes Comunitários. Ela se reuniu com líderes da aldeia e famílias para aprender sobre sua participação na iniciativa de higiene e saneamento. Essa colaboração local, governamental e da UNICEF capacita as aldeias a se apropriarem diretamente de levar latrinas, duas estações para lavar as mãos e métodos de purificação de água para suas comunidades, mais poços seguros com produtos que purificam a água, e também educação e conscientização da população da vila sobre a importância desses programas para a prevenção da proliferação de doenças, principalmente intestinais.


O “Líder Nacional” também foi treinado para educar as mulheres locais sobre a higiene durante o período mestrual e distribuição de absorventes reutilizáveis para todas as mulheres da vila.


Essa é uma das 40 vilas com o apoio da UNICEF, o Serviço de Higiene Regional está a caminho de cobrir toda a região com ações de integração de água, higiene e saneamento básico. Eles estão treinando os lideres comunitários a monitorar mulheres grávida, sobre o pré-natal e desnutrição infantil.


Tendo viajado pelo Senegal para chegar à cidade de Kolda, pude entender melhor o trabalho que o UNICEF está fazendo todos os dias em todo o mundo. Mesmo nos lugares mais difíceis de alcançar, o UNICEF está usando inovação, tecnologia e intervenções lideradas pela comunidade para dar a cada criança a oportunidade de prosperar”, disse Hadid.


Após a viajem a dupla trabalhou em arrecadar 50 mil dólares para os fundos do Centro Junenil e duas escolas em Kolda, no Senegal.


Em 2020 a revista V Magazine e a modelo Gigi Hadid anunciaram uma nova edição do tão bem sucedido Gigi Journal, lançado pela primeira vez em 2017. Através de uma chamada no Instagram, Gigi e a revistas convidaram artistas para se inscreverem e assim, colaborarem com o projeto. Em resposta, foram recebidas 20.00 inscrições.


Os planos da edição possivelmente foram mudados devido a pandemia de Covid-19 e o tema da revista foi divulgado como “Quarenti[m]e”, que faz alusão a quarentena que acomete o mundo nos últimos meses. Vinte e oito artistas de vários países escolheram como levar esse tema, com conversas colaborativas, começando com as próprias experiências de exploração durante esse tempo e indo para homenagens aos trabalhadores essenciais. Contudo, o tema se expandiu e pudemos ver Hadid usando sua plataforma de privilégios para apoiar o movimento Black Lives Matter através do Gigi Journal.


Restando uma semana para o fim do prazo de inscrições, Gigi Hadid em seu papel de editora criativa, estabeleceu uma nova data para que artistas negros pudessem enviar sua arte e assim, usar a enorme plataforma da revista e da modelo para dar luz aos seus trabalhos. O resultado final da edição contou com contribuições importante como do fundador do Black Lives Matter, Patrisse Cullors; do autor e co-fundador da Campaign Zero, DeRay McKesson; da chef e ativista Sophia Roe e da editora sênior da One World, Nicole Counts.


Através da carta do editor, Hadid deixa o leitor ciente de como se sentiu durante todo o processo e como foi importante para ela fazer parte de algo tão importante e também explicou como foi e porque acrescentou o movimento o Black Lives Matter no Gigi Journal.


“(…) Mesmo que muitas coisas difíceis vão ser associadas com tudo o que aconteceu durante essa pandemia, eu acho que muitas pessoas tem conseguido refletir consigo mesmas e se darem tempo para focar em coisas mais importantes. Talvez os novos velhos hábitos tenham ido muito depressa para nós priorizamos a importância de lutar pelas pessoas. Esse senso de comunidade era forte, começando por ficar em casa para nos protegermos do vírus e também pelo assassinato de George Floyd e de tantos outros, reerguendo o movimento Black Lives Matter no meio da quarentena (que se espalhou com demonstrações em 50 estados do EUA até protestos em mais de 18 países), se tornando o maior movimento de direitos civis da história do mundo.


Com apenas uma semana restante deste prazo, na altura dos protestos nos EUA e em torno do globo, eu senti fortemente que isso era importante para mim, de responsabilidade minha e da V Magazine, para que tenhamos certeza que nós amplificaremos as vozes de pretos americanos usando essa plataforma e o privilégio. Olhando para trás, o movimento Black Lives Matters será um dos mais afetantes & uma parte importante da “Quarenti[m]e” para a maioria dos leitores da V.


Inicialmente, nosso foco era contar histórias de artistas do mundo todo, criando durando o isolamento. E enquanto eu sabia que os contribuidores de revista eram de todo mundo e várias raças, seria errado que isso fosse impresso sem destacar melhor a questão do racismo sistêmico, e o fato de que esse movimento inesperado chegou ao seu auge quando o fez.


Portanto, nos primeiros dois parágrafos, você vai encontrar peças escritas por incríveis escritores e ativistas pretos americanos que são extremamente informativas e inspirações para mim e vários outros. Por favor tire um tempo para ler as palavras de mentes que são tão importantes para nós para continuar aprendendo com eles. Eu sou honrada por ter a presença deles nessa revista, e aprecio a energia e o tempo que eles tomaram para progressar a luta contra injustiça racial à suas maneiras (…)”.


Além disso, uma porcentagem dos recursos provenientes da venda do jornal que foi obtido com as cópias vendidas foram divididas em quatro organizações que ajudam nas causas igualdade e justiça racial: Black Lives Matter, NAACP, ACLU, Campaign Zero